EM DEFESA DE CARINA VITRAL

EM DEFESA DE CARINA VITRAL

A atual presidente da UNE, Carina Vitral, fez uma foto abraçada ao senador tucano José Serra, durante filmagem de um documentário sobre a entidade estudantil.

Diversos militantes reais e virtuais iniciaram verdadeira campanha de escracho contra Carina, como se ela tivesse cometido algum ato de traição ou de conciliação com o golpismo.

Reação absurda, ao meu ver.

Talvez ela pudesse ter sido mais cuidadosa nesse universo tão conectado e polarizado que vivemos, mas não mais que isso.

Ela não representa um partido político, preside a organização sindical de todos os estudantes, e nessa condição foi seu encontro com Serra.

Mais ainda: tratava-se de uma filmagem sobre a história da entidade, que foi presidida pelo prócer tucano entre 1963 e 1964, quando ainda era um combativo militante de esquerda. O presente de Serra não apaga seu passado e seu papel na UNE, gostemos ou não desse fato.

Carina não foi negociar, dialogar ou capitular perante um dos líderes golpistas, mas entrevistar o ex-presidente da entidade que representa, como o fez com vários outros.

Não foi festejar com Serra ou fazer acordos com o senador. Simplesmente teve honestidade histórica: o reacionário de hoje, infelizmente, era o mesmo personagem que subiu no palanque do Comício pelas Reformas de Base em 13 de março de 1964, entre outros feitos de então.

Mesmo que tenha dado um sorriso ou um abraço a mais do que o momento permite, Carina Vitral estava cumprindo seu papel e não deveria ser crucificada por isso.

LULA

O Instituto Lula, desde sua primeira fase, tem uma história de 26 anos dedicados a apoiar a transformação da sociedade brasileira, superar a desigualdade, promover o desenvolvimento e apoiar a construção da democracia no Brasil e no mundo. Na mesma casa onde funciona há mais de duas décadas nasceram projetos como o “Fome Zero” e o “Projeto Moradia”, que mais tarde se consolidariam em políticas públicas no governo do ex-presidente Lula, como o “Fome Zero“, o “Bolsa Família“, o “Programa Minha Casa, Minha Vida“, o “Programa Luz Para Todos“ e o “Projovem“.

Em agosto de 2011, o Instituto Cidadania passou a se chamar Instituto Lula e continuou funcionando no mesmo endereço. Como Instituto Lula, promoveu debates públicos dentro e fora do país, reuniu estudiosos, acadêmicos, sindicalistas, empresários, jovens, religiosos, embaixadores, artistas, técnicos e produtores culturais, ativistas de redes sociais, blogueiros, jornalistas, representantes de movimentos sociais, de ONGs e dirigentes, além de autoridades e governantes do Brasil e de muitos outros países. O Instituto compartilhou sua produção com a sociedade em eventos, publicações e com ferramentas de educação e pesquisa como o Memorial da Democracia e o Brasil da Mudança.

O Instituto não foi notificado oficialmente da decisão do juiz que teria pedido a suspensão de suas atividades. Os advogados averiguarão as medidas cabíveis assim que tiverem conhecimento do teor da decisão.

Em 2015, o Instituto lançou um documento completo de atividades, que pode ser acessado pelo link http://www.institutolula.org/uploads/institutolula2015.pdf

A imagem pode conter: 10 pessoas, pessoas sorrindo